“Plantas daninhas” da Caatinga, uma abordagem florística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33447/paubrasilia.2022.e0106

Palavras-chave:

Dispersão, Similaridade, Cultivo

Resumo

Este trabalho realizou uma análise de estudos sobre florística de plantas consideradas daninhas presentes em cultivos na Caatinga. Os dados foram obtidos através de 40 artigos científicos de periódicos acadêmicos disponíveis na plataforma on-line do Google Acadêmico. Foram levantadas informações morfológicas, ecológicas e biogeográficas das espécies, avaliando também a similaridade e análise de regressão das áreas amostradas. 179 espécies foram identificadas, sendo 55 destas consideradas exóticas. Nas assembleias florísticas predominaram espécies herbáceas, terófitas, autocóricas e pantropicais. Os agrossistemas avaliados apresentaram baixa similaridade entre si, revelando floras mais heterogêneas do que o esperado, não seguindo o modelo previsto na Teoria de Biogeografia de Ilhas. A análise de regressão indicou relação não significativa entre distância geográfica e o Índice de Similaridade de Jaccard. Desse modo, os resultados mostram que plantas daninhas, na Caatinga, apesar de serem compostas por espécies generalistas e de ampla distribuição geográfica, suas assembleias são estruturadas de forma distintas. 

Downloads

Publicado

29.12.2022

Como Citar

FALCÃO, Maria Eduarda Eneas da Silva; SILVA, Iasmin Rocha e; LIMA, Ana Patrícia Fernandes de; DUARTE, Maria Deise das Dores Costa; MACHADO-FILHO, Hermes. “Plantas daninhas” da Caatinga, uma abordagem florística. Paubrasilia, Porto Seguro, v. 5, p. e106, 2022. DOI: 10.33447/paubrasilia.2022.e0106. Disponível em: https://periodicos.ufsb.edu.br/index.php/paubrasilia/article/view/106. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos