Diagnóstico polínico da geoprópolis de Melipona scutellaris L. (Meliponini, Apidae, Hymenoptera) coletada em uma área de Mata Atlântica no Nordeste do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33447/paubrasilia.v2i1.19

Palavras-chave:

abelhas nativas, melissopalinologia, produtos das abelhas, plantas resiníferas

Resumo

Melipona scutellaris (uruçu) é endêmica da região Nordeste do Brasil, poliniza um número diversificado de espécies de plantas e é importante na manutenção da biodiversidade dos biomas da região, como a Mata Atlântica. O presente trabalho analisou 16 amostras de geoprópolis produzidas por esta abelha em uma área de Mata Atlântica no município de Entre Rios (Bahia). As quais foram processadas seguindo a técnica de acetólise com modificações sugeridas para geoprópolis. 75 tipos de pólen foram encontrados, dos quais 59 foram identificados como pertencentes a 28 famílias botânicas. A família Fabaceae foi a mais importante com 12 tipos polínicos identificados. Os gêneros Cecropia (Urticaceae), Eucalyptus (Myrtaceae), Mimosa pudica (Fabaceae) e Myrcia I (Myrtaceae) estiveram presentes em todas as amostras analisadas. Os tipos polínicos Protium heptaphyllum (Buseraceae) e Schinus terebinthifolia (Anacardiaceae), ambos utilizados como fonte de resina pelas abelhas, apresentaram frequências de distribuição de 56,25% e 81,25%, respectivamente.

Downloads

Publicado

08.08.2019

Como Citar

MATOS, Vanessa Ribeiro; SANTOS, Francisco de Assis Ribeiro dos. Diagnóstico polínico da geoprópolis de Melipona scutellaris L. (Meliponini, Apidae, Hymenoptera) coletada em uma área de Mata Atlântica no Nordeste do Brasil. Paubrasilia, Porto Seguro, v. 2, n. 1, p. 6–16, 2019. DOI: 10.33447/paubrasilia.v2i1.19. Disponível em: https://periodicos.ufsb.edu.br/index.php/paubrasilia/article/view/19. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos